Skip to content

Quando só a lei não basta

11 julho, 2010

Nos últimos anos temos nos enganjado em lutas pela criação de leis que beneficiem a nós, portadores e familiares.

É certo que temos conseguido algumas vitórias, como as Portarias Ministeriais 1.370 e 370, que disciplinam a Assistência Ventilatória Não Invasiva a pacientes neuromusculares.

Entretanto, para que as leis funcionem, é preciso que os gestores do SUS, nos Estados e Municípios as regulamentem e as façam cumprir, e como constam nas Portarias: de forma multidisciplinar.

Apenas custear e entregar um aparelho Bipap e esperar que o paciente e seus cuidadores extraiam dele o real e completo benefício é, no mínimo, utópico, e, em escala maior, desperdício de dinheiro público.

O uso da assistência ventilatória não invasiva é individual e personalizado. Requer avaliações e regulagens periódicas, além de associação com outras terapias de forma concomitante, demandando, portanto, a atuação de uma equipe de profissionais em regime domiciliar.

É o que determinam as portarias. Qualquer coisa menos do que isso é descumprimento da lei.

Vejam aqui uma iniciativa no sentido de regulamentação correta.

Anúncios

From → Artigo, Notícias

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: